A Fundação Ciência e Desenvolvimento (FCD) foi extinta e encontra-se em processo de liquidação, pelo que este site se encontra encerrado.

Parcerias

CINEMA

O Cine-Estúdio do TCA funciona diariamente exibindo obras de cinema alternativo ao circuito comercial, cuja programação é da responsabilidade da Medeia Filmes.

Com sessões às 18h30 e às 22h00, a agenda do CINEMA deve ser confirmada junto da bilheteira do Teatro, dia-a-dia.

Cinema encerrado no Domingo de Páscoa.

PALCOS INSTÁVEIS

“Palcos Instáveis” é um projeto da Companhia Instável (apoiada pela DGArtes) em coprodução com a Fundação Ciência e Desenvolvimento que tem por objetivo o incentivo ao trabalho de jovens criadores, através da cedência de espaço de ensaio, assim como de apresentação.

É um ciclo de Dança Contemporânea, promovido pela Fundação Ciência e Desenvolvimento (CMP) e pela Companhia Instável, no qual já foram apresentadas, em estreia absoluta, as seguintes peças:

- "Exit 211 - A" de Elisabeth Lambeck (15 Abril de 2012)

- "Nevoeiro 21" de Marco Ferreira (15 de Abril de 2012)

- “Mata-me em Séries”, de Mafalda Deville (17 de Maio de 2012)

- "The Very Delicious Piece"de Cristina Planas Leitão e Jasmina Krizaj (6 de Outubro de 2012)

- “Under destruction” de Joana Castro (25 de janeiro de 2013)

- "Diamonds on the Crown" de Daniela Cruz (23 de fevereiro de 2013)

- "Tip ping Point" de Daniela Cruz e Glória Rós (23 de Fevereiro de 2013)

- "Subterrâneo" de Fábio Lopes (21 e 22 de março de 2013)

- "Mulher de vermelho" de Raquel Rua e Ricardo Machado (23 e 24 de abril de 2013)

e ainda;

Laboratório de Criação Coreográfica

O Laboratórios de Criação Coreográfica é um espaço de encontro e pesquisa onde, durante cerca de 6 meses, os participantes encontram-se quinzenalmente acompanhados por um coreógrafo ou formador para, em formato de coaching, desenvolverem os seus trabalhos. Desde maio passado os participantes foram acompanhados por Cristina Planas Leitão, Elisabeth Lambeck, Isabel Ariel, Joclécio Azevedo, José Maia, Mafalda Deville, Victor Hugo Pontes e Ana Figueira.

Ciclos de Música
“Novos Talentos”
Teatro do Campo Alegre 2013
Parceria entre a Fundação Ciência e Desenvolvimento/Câmara Municipal do Porto (Pelouro do Conhecimento e Coesão Social) e o Curso de Música Silva Monteiro.

“Novos Talentos”:

Na iniciativa “Novos Talentos” a intenção é mostrar o talento dos novos intérpretes, com recitais a realizar no Teatro do Campo Alegre, dando a conhecer à comunidade os mais jovens premiados de concursos nacionais e internacionais. Os recitais, sempre às 22h00, serão apresentados pela programadora do Serviço Educativo do Teatro do Campo Alegre Rute Pimenta.
O que carateriza os participantes é o facto de todos serem laureados de concursos internacionais conceituados, com especial relevância para os premiados do Concurso Internacional Sta. Cecília, realizado no Porto e organizado pelo Curso de Música Silva Monteiro em parceria com a Fundação Engº António de Almeida, envolvendo também a Câmara Municipal do Porto através do Departamento Municipal de Museus e Património Cultural.

O objetivo é dar a conhecer "Novos Talentos" nacionais de diferentes instrumentos e estabelecer uma ponte com novos talentos de outras nacionalidades e culturas, com a participação de uma brilhante jovem pianista italiana, nesta primeira edição.

Os recitais apresentam-se em ambiente de informalidade, sendo que a função de apresentação de Rute Pimenta permitirá responder a algumas questões que possam ir ao encontro da curiosidade do público, o que o formato normal de um recital não permite.

- 18 de janeiro: Pedro Gomes – Piano
- 22 de fevereiro : Rafaela Oliveira – Piano / Mateus Barros – Piano / Daniel Hart – Piano (Prémio Roland)
- 28 de março : Vasco Rocha – Piano
- 25 de abril : Ana Ferraz – Flauta / Flávia Valente – Flauta / Tomás Matos – Piano
- 31 de maio: Ana Rita Oliveira – Flauta / Manila Santini - Piano
- 28 de junho: Fernando Costa – Violoncelo / Luis Costa - Piano

Entrada livre sujeita a levantamento de bilhete até ao limite de lotação a sala.

António Nobre: o Poeta do Só
Exposição no foyer do Teatro do campo aLegre
até 30 de janeiro de 2013

Pequena exposição, organizada a partir do espólio de António Nobre na Biblioteca Pública Municipal do Porto, constituída por fotografias do escritor, de alguns dos seus escritos e de locais que frequentou ou por onde passou. O espólio integra cerca de 400 documentos de que se salienta os manuscritos «Só» (uma parte do original, a que se acrescenta um esboço para a capa, folhas preliminares e sumário da 1.ª ed.), «As Confissões de António Nobre» e «Livros de Apontamentos». Distingue-se, ainda, provas tipográficas, cartas recebidas e enviadas, fotografias, edições de obras de e sobre A. Nobre, objectos de uso pessoal, etc.

António Nobre frequentou Direito em Coimbra tendo colaborado na «Boémia Nova» uma das revistas iniciadoras do Simbolismo em Portugal. Duas reprovações sucessivas motivaram a sua ida para Paris licenciando-se aí, em Direito, em 1895. Concorrendo a um lugar de cônsul e obtendo aprovação, nunca exerceu o cargo devido ao agravamento da sua doença.
Na obra de Nobre é essencial a vivência pessoal, a saudade, a ternura por si próprio e por todos os que sofrem, o quotidiano «transformado» em mito. Em 1892, em Paris, foi lançada por Léon Vanier a 1.ª ed. de «Só». Postumamente publicaram-se, entre outros títulos: «Despedidas», «Primeiros Versos», «Alicerces; seguido de, Livro de Apontamentos», «Correspondência», «António Nobre: Correspondência com Cândida Ramos».

Conteúdo sindicado